Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A nómada gulosa

Um blog de crónicas viajeiras e com tendências epicuristas

A nómada gulosa

Um blog de crónicas viajeiras e com tendências epicuristas

Uma viagem pelo Douro Vinhateiro

10.jpgForam poucos os lugares onde já estive (e já estive em alguns!) em que tenha chegado à conclusão que são muito mais bonitos do que as imagens fotográficas ou televisivas deixavam transparecer. O Douro Vinhateiro é seguramente um desses lugares.

O comboio histórico do Douro percorre um troço compreendido entre a Régua e o Tua, serpenteando a margem do rio Douro, bem no coração do território vinícola Património Mundial.

As imponentes colinas cravadas de socalcos e o rio Douro, hoje idílico e sereno, constituem a paisagem que tem sido (re)descoberta por portugueses e estrangeiros.

As vinhas recuperaram o seu esplendor após os significativos danos da filoxera na segunda metade do século XIX, mas a faina fluvial da actualidade é hoje tão diferente como o próprio rio, domado por barragens e eclusas. A última viagem de um rabelo transportando os barris de vinho do Porto entre as quintas durienses e as caves de Gaia data de 1964.

Mas também não são as imagens que captei que conseguem fazer jus a este cenário e apreender o esforço humano necessário para contemplarmos a paisagem que hoje temos diante dos nossos olhos.

No dizer de António Barreto “Duas forças colossais fizeram o Douro que está diante dos nossos olhos: a do rio e a dos homens. (...) Visto do ar, dos vales ou do leito do rio, o que se vê é sempre obra do homem.” (Douro – Rio, Gente e Vinho).

13.jpg17.jpg19.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

4.jpg12.jpg

 

 

 

 

 

 

14.jpg18.jpg

 

 

 

 

 

 

22.jpg23.jpg

 

 

 

 

 

 

25.jpg28.jpg

 

 

 

 

 

 

20.jpg21.jpg27.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

16.jpg24.jpg

 

 

 

 

 

 

30.jpg32.jpg

 

 

 

 

 

 

29.jpg31.jpg33.jpg